Ainda sobre documentação de viagem.

Documentação para Viagens Nacionais

Para embarque com destino nacional é obrigatória a apresentação de documento original com foto no ato do check-in nos embarques domésticos.

Para maiores de 18 anos:

  • Documento de identificação civil, com fé pública e validade em todo o território brasileiro (Exemplos: RG, CNH, CTPS); ou
  • Cópia autenticada do documento de identificação civil; ou
  • Boletim de Ocorrência, em casos de furto, roubo ou extravio do documento, na validade prevista pelo órgão de segurança.

Importante! Antes de viajar observe se o nome que consta no bilhete de viagem está exatamente igual ao do documento que será apresentado. Esse ponto de atenção deve ser checado principalmente após alteração do estado civil que tenha originado mudança no nome do passageiro.

Para adolescentes de 12 a 17 anos:

  • Somente documento de identificação civil com foto (como RG ou passaporte), com fé pública e validade em todo o território brasileiro; ou
  • Cópia autenticada do documento de identificação civil; ou
  • Boletim de Ocorrência, em casos de furto, roubo ou extravio de documento, na validade prevista pelo órgão de segurança.

Para crianças menores de 12 anos, acompanhadas dos pais ou responsáveis:

  • Certidão de Nascimento (original ou cópia autenticada); ou
  • Documento de identificação civil com foto (como RG ou passaporte), com fé pública e validade em todo o território brasileiro;
  • Documento que comprove a filiação ou parentesco com o responsável;
  • Demais exigências estabelecidas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente e pela Vara da Infância e Juventude do local de embarque.
  • Acompanhadas com maior: Além dos demais documentos citados acima, estão sujeitas à autorização de viagem, conforme exigências legais do Art. 83 do Estatuto da Criança e do Adolescente.

Importante! Vale lembrar que nenhuma criança (0 a 12 anos incompletos) poderá viajar sozinha. Algumas empresas aéreas oferecem serviço de acompanhamento em viagens dentro do território nacional. 

Prepare sua documentação e boa viagem!

Vamos começar a viajar??

Quem me conhece a algum tempo, ou me segue nas redes sociais, sabe que eu amo viajar. Sempre que possível, aproveito meu tempo livre viajando e algumas pessoas ficam curiosas para saber como faço para viajar com tanta frequência. Então hoje vou contar um pouquinho como isso começou.

Sou cearense, natural de Fortaleza, e tenho uma família bem grande. Se não fossemos brasileiros, poderia jurar que a gente era grego. Sabe aquela família grande e grudada, onde todo mundo se mete na vida de todo mundo e se ama de montão? Pois é a minha é assim. Porém, como bons nordestinos que somos, a família foi se espalhando, e os primos foram casando e a família aumentando…Mas Luluca você não ia falar sobre viagem??? E vou, só que minhas viagens começaram com uma categoria que eu denomino de Turismo Familiar.

Luluca e se minha família não for grande? Ou não for tão unida? Como vou viajar? Calma! Tem jeito pra tudo. O importante são as regrinhas que vou partilhar com vocês sobre como se hospedar na casa de parentes ou amigos, afinal as vezes a gente tem amigo que é mais chegado do que irmão.

  1. Nunca chegue sem avisar. Na verdade você deve fazer o oposto disso. Se está planejando conhecer uma cidade onde mora algum parente e pretende se hospedar na casa dele, primeiro entre em contato, verifique se a pessoa tem disponibilidade para lhe receber e só depois providencie as passagens para a viagem. Inclusive esteja aberto para entender caso a pessoa não possa lhe receber, se esse for o caso, e ainda assim você for para a cidade agende um encontro para rever seu parente e fortalecer a amizade de vocês.
  2. Passe no máximo 10 dias. Maravilha! “O primo” concordou em lhe receber e agora você já pode comprar as passagens. Mas lembre que somente você estará de férias e seu anfitrião manterá sua rotina normal de afazeres diários, então nada de esticar demais a estadia na casa dele, o tempo ideal é de cinco a dez dias, lembrando de incluir um fim de semana para que vocês possam fazer alguma programação juntos.
  3. Nada de vizinho, cachorro e/ou papagaio. Considere ir sozinho ou de preferência apenas com mais uma pessoa para a viagem, se esse for o caso consulte com antecedência se pode levar o acompanhante. Lembre que seu anfitrião está fazendo a cortesia de lhe receber e que isso irá interferir na rotina de sua casa.
  4. Organização é a palavra de ordem. Nada de chegar na casa do “primo” e ir se espalhando, deixando suas coisas em todo canto, louça suja para lavar, toalha molhada em cima da cama, etc. Se pretende voltar um dia, cuide da casa do seu anfitrião melhor do que cuida da sua.
  5. Coma do que for servido na casa. Se você tem alguma restrição alimentar ou é chato para comer abasteça a dispensa com itens que você coma e partilhe com as pessoas da casa.
  6. Seja independente. Planeje os locais que pretende visitar e vá de transporte coletivo, de táxi ou uber. No entanto, lembre de informar ao seu anfitrião sobre seus planos e respeite os horários da casa e as regras de segurança do local. Se for possível alugue um carro.
  7. Saia com seu anfitrião. Faça pelo menos um programa junto com o “primo”. Pode ser algo simples: comer uma pizza, ir ao cinema, visitar um parque ou museu.
  8. Retribua a cortesia. Quando possível, retribua a cortesia e receba seu anfitrião em sua casa.

Bem essas são algumas regrinhas básicas. Lógico que você tem que ter alguma afinidade com seu anfitrião, além de considerar o tamanho da sua família e da dele, antes de fazer qualquer programação.

Em alguns casos vai ser possível ir de carro. Se for de ônibus ou avião se programe para pegar um transporte até a casa do seu anfitrião, mas se ele se oferecer para ir buscá-lo aceite. Você vai descobrir que algumas pessoas adoram receber visitas, se esse for o caso de algum de seus anfitriões aproveite a estadia sem abusar da boa vontade das pessoas. 

Afinal:boas visitas são sempre bem vidas 🙂

IMG-20141221-WA0010Café da tarde com alguns primos!